top of page
Buscar

Um piquenique no campo de batalha

Formandos de Teatro do Basileu França encenam texto do Teatro do Absurdo

Piquenique no Front, de Fernando Arrabal, escrita em 1952, é considerada um exemplar do Teatro do Absurdo, alcunha do crítico húngaro Martin Esslin para um conjunto de obras do pós-guerra que, segundo ele, se esforçavam por expressar teatralmente o “sem sentido” da condição humana. Como forma de questionar a adequação de uma abordagem racional do homem, tais obras subvertem formas e modos estabelecidos da cena, renunciando a instrumentos racionais de representação e ao pensamento discursivo, de modo que implodem a narrativa, a verossimilhança e a lógica realista.


O caráter subversivo dessa linguagem abre caminho para o teatro contemporâneo, pois é através de uma poesia que surge a partir de imagens concretas no próprio palco que se constroem os questionamentos e a crítica. Em seu conjunto, as obras do dito Teatro do Absurdo têm um profundo teor existencial e se aproximam por características como um sentido tragicômico, personagens com pouco desenvolvimento psicológico, presos a repetições e a enredos cíclicos e sem solução, diálogos com clichês e jogos de palavras, entre outros recursos.


Piquenique no Front leva a guerra à cena, expondo uma temática de forma muito mais clara do que fazem obras mais conhecidas do Absurdo como Esperando Godot, de Samuel Beckett, em que a situação e as personagens não nos dão nenhuma notícia sobre o tempo e o espaço da ação, ou em que universo ela está inserida. Em Godot, sequer sabemos o que as personagens estão fazendo ali diante de nós. Arrabal elege o front como lugar do drama e se aproveita do aspecto suspensivo característico dos períodos de guerra para deslocar seus personagens do mundo real, mundo esse que, longe do front, permanece uma referência para o espetador, de modo que os absurdos dramáticos que vemos em cena refletem, em última análise, o absurdo do próprio estado de guerra.


Sob direção de Renata Weber, a turma em formação do curso técnico de Interpretação Teatral da Escola do Futuro em Artes Basileu França, levou ao placo uma montagem da obra de Arrabal. Piquenique no Front é um texto curto, ao qual recorrem muitas turmas de estudantes, pois tem estrutura e indicações cênicas simples. Uma montagem modesta e objetiva não deveria chegar a quarenta minutos de duração. Esse não foi o caso aqui. Renata aproveita todo o espaço que o texto deixa à encenação para levar os alunos-atores ao exercício da atuação em diferentes chaves e linguagens.


Num ano em que o mundo viu a guerra retornar à Europa, soberanias estabelecidas sendo invadidas e voltamos a nos preocupar com a ameaça nuclear, o espetáculo nos coloca a contemplar o horror. Após o período mais intenso da pandemia, em que um horror com ar de novidade nos chocava, a guerra nos recolocou diante do horror que vem das mãos humanas, que sempre existiu, mas que em certos períodos se faz mais distante de nós. O espetáculo dos formandos consegue dar conta dessa diversidade terrível e desse acúmulo de tensões em que o mundo se encontra desde 2020. O impacto se dá na primeira cena, em que corpos em conjunto, embora em grande número, se apequenam, esmagados por uma intensa e perturbadora paisagem sonora e luminotécnica, que perdura sobre eles e sobre nós, público, distendendo nossa percepção.


A montagem alterna entre a representação do texto, na chave irônica característica de Arrabal, e representações imagéticas de violência, sofrimento e dor, da guerra enfim. Esses dois eixos do espetáculo perfazem de modo escrachado um recurso presente no Teatro do Absurdo, que é confrontar a brandura, o humor, a cordialidade – o trato social burguês – com o horror e a tragédia. Aqui, a encenação leva essa oposição presente na ironia dos diálogos à instância visual, e os momentos imagéticos, de caráter performático, levam os atores a assumir outros estados e corpos que desaparecem com as personagens e massificam as individualidades.

Nesse sentido, a alternância de atores nos papéis colabora com a despersonalização, embora as personagens do texto sejam em si caricaturas. As transições de cena e de atores ocorrem de forma solene, encaixadas na trilha e na dissolução dos climas de cada cena, o que dá ao espetáculo, além do aspecto absurdo, um caráter épico que o engrandece. A distensão do tempo, a permanência das imagens que são deixadas a reverberar diante de nós aprofundam seus sentidos e valorizam o trabalho corporal, assim como a luz e a música, tudo é trazido a uma contemplação detida. No conjunto, as individualidades dos atores imprimem diferentes tônus e temperamentos aos personagens, polimento que requer tempo e entrega coletiva, um dos maiores desafios para montagens escolares.

64 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page